7 de jul de 2010

Lula, cabo-eleitoral de Índio da Costa

Foto: R. Stuckert/PR
Já com o pé na África, mais precisamente na Tanzânia, o presideus Lula, no mais pleno exercício de seu emprego de cabo-eleitoral da postulante Dilma - espantado com o tamanho da cobra de um tanzanês - disse para os jornalistas que não lhe dão azia que nunca ouviu falar no deputado carioca Índio da Costa, escolhido para ser vice do tucano Zé Serra.


Lula foi explícito: "Eu não sei se é demérito dele ou se é meu, o dado concreto é que eu nunca ouvi falar no nome dele”.

Pronto! Era tudo o que a turma da campanha de Zé Serra queria ouvir. Para eles, a declaração de Lula soa como o mais eloquente atestado de Ficha Limpa para Índio da Costa. Se Lula não o conhece, então é porque nunca tentou aplicar-lhe a sua famosa "estratégia de coalização pela governabilidade". Índio está salvo: nunca será considerado um dos amigos de Lula.

Os marqueteiros de Zé Serra aguardam novas investidas de Lula como o avesso de cabo-eleitoral de Dilma. Mal podem esperar.