20 de jul de 2010

Urticária

Lá, por entre as almofadas espalhadas ao redor do seu enorme divã, o psicólogo-político Garanhão de Pelotas vai empilhando idéias sobre o futuro do Brasil Da Silva sem o presideus Lula. Tem urticária só de pensar:

- Os brasileiros de bem ainda vão ter que passar pelo vexame de chamar Michel Temer de presidente!

E vai se analisando do jeito que gosta e da maneira que melhor conforto lhe dá ao fígado. Seu jeito de ver o mundo é a garantia de que o Brasil é um país de milhares e milhares de políticos, mas o resto é gente boa.

Não consegue esconder sua preferência pela teoria do professor veronês, Cesare Lombroso: O que o cara é, tá na cara.

E é isso que o Garanhão pensa e traduz quando se depara com aquele olhar gélido de vassalo de filme de vampiro que habita o rosto de Michel Temer.

- Michel Temer olha como quem já está vendo lá na frente... Parece adivinhar que Dilma logo vai retomar as sessões de quimioterapia!

O Garanhão de Pelotas, levanta-se do divã, vai até à janela e, depois de um tranquilo sorvo de Dom Pérignon, diz para si mesmo ignorando a coceira que lhe cutuca a alma, fixando-se no infinito:

- Dessa vez o mordomo não é o culpado.