30 de jul de 2010

O Anarquista Final

O Garanhão de Pelotas não foi na sua vida de animal social, uma entidade devidamente inserida no contexto, a ponto de ser hoje um anarquista da cabeça aos pés.
É mais rebelde do que anarquista; mais revoltado do que rebelde. Não aconselha ninguém a ser um anarquista; muito menos diz que não.

O anarquista arte-finalizado e puro é tão inalcançável quanto viver felicidade o tempo todo. É como tentar escrever o assobio. Tente. Antes você vai descobrir a loucura.