8 de jul de 2012

O Pior Cego

Era nossa última noite em Mar del Plata, depois de uma semana de sucesso nas piscinas paraolímpicas daquele frio e encantador balneário argh!entino, onde se realizara mais uma etapa classificatória para os Jogos de Atenas, em 2004.

Já de folga e de malas quase prontas, nos reunimos no apartamento de um dos dirigentes da comitiva brasileira e começamos a devorar pizzas, umas atrás das outras e vinhos, uns atrás dos outros, só para matar o tempo até chegar a hora de embarcar, na manhã seguinte, para o aeroporto de Ezeiza, em Buenos Aires.

Eu estava na companhia de três cegos. Piada é que não faltava. Uma bengalada atrás da outra. Cada um tinha direito a quantas histórias e anedotas quisesse contar e ouvir.

E lá veio então, a pergunta que não queria calar:

- Qual é o pior cego? - quis saber o vice-presidente da delegação.
- O pior cego é o que não quer ver - saltou logo, o diretor-geral.
- Nada! - disse o presidente - O pior cego é aquele que quer ver!

E eu, simples assessor de imprensa, vidente mas com uma visão ridícula do ambiente, ao invés de ficar calado, me exibi expelindo uma besteira com bafo de múmia de 2 mil anos atrás:

- Bobagem, o pior cego é aquele que é surdo e mudo também.

Peguei pesado. Pegou mal. Ninguém mais pediu pizza. E acabaram com o vinho falando só coisas sérias. Acho que foi até para que eu pegasse os meus pezinhos e me mandasse logo para o meu quarto.

MORAL DA HISTÓRIA - Quem perde o amigo, mas não perde a piada, corre o risco de perder o emprego também.

3 de jul de 2012

O Melhor do Ano

Um dia, faz tempo, coisa de 15 anos mais ou menos, recebi um prêmio de "Melhor Jornalista do Ano". Era de uma revista-relâmpago cujo nome deixo pra lá, pela efemeridade e por respeito à iniciativa. Editada por gente rica formada em jornalismo, durou uns dois ou três anos. A revista durou isso, não o prêmio...

Na noite da festa de entrega do troféu, no saguão do Grande Hotel, eu fui lá e entre canapés, refrigerantes - eu era abstêmio convicto na época - e uns aplausos de claque ocasional, cometidos por interessados em possíveis entrevistas no meu programa no SBT agradeci a homenagem. Fui rápido para não ser lulático:

- Obrigado pelo troféu. Ele me deixa feliz neste momento. E também me deixa triste porque sou jornalista há 34 anos e só agora sou eleito melhor do que os outros que até aqui, pelo visto, sempre foram melhores do que eu. Mais que triste, fico preocupado: se eu não for eleito o "melhor" no ano que vem, acho que vou trocar de profissão. Não admito dar pra trás em nada nessa vida. Obrigado pelo troféu... Ele é pesado demais para mim.

Deixei o troféu em cima de uma mesa onde rolava o coquetel. Pouco depois, saí de fininho. Nunca mais fui eleito o "melhor jornalista do ano".

MORAL DA HISTÓRIA - As boas intenções podem nos ferir a qualquer momento; até nas melhores ocasiões.