28 de abr de 2011

PURA FICÇÃO

ENFIM, SÓS!
Depoimento do Garanhão de Pelotas, travestido de plebeu.

Nunca me senti tão importante; tão prestigiado; tão parecido com as elites, com as maiores autoridades do país. Até que enfim posso sentir o que é igualdade social.

Assim como Dilma Roussef, Antonio Patriota, Michel Temer, Palocci, Mantega, Fernandinho Beira-Collor, ministros do governo, do Supremo e de todas as cortes; FHC, Fernando Gabeira, Serra, Aécio e dissidentes ilustres em geral; bispo Macedo, donos, diretores e artistas da rede Globo e outras TVs a cabo, eu também não fui convidado para as cerimônias do casamento do príncipe William com a plebéia Kate Middleton.

O que me chateia um pouco é que o Seu Encarnado, alter ego de Lula - o que não desencarna da presidência, também não recebeu convite. Essa informação meio que desequilibra o fiel da balança.


No entanto, há controvérsias. Arautos do Instituto Cidadania informam que o Cara recebeu sim o convite, mas por solidariedade às elites menosprezadas, não aceitou. E, nessa gloriosa véspera do megabrega casório real britânico, recluso com dona Marisa Letícia na suíte ex-presidencial de seu apartamento em São Bernardo, sorveu a delícia de seu proposital momento de isolamento:

- Enfim, sós!

RODAPÉ - Vizinhos do casal neometalúrgico garantem que ouviram ruídos estranhos. Algo, cuja onomatopéia repetitiva seria mais ou menos assim: tintim, tintim... Tintim, tintim... Tintim, tintim...
- Até que, lá pelas tantas, parou - jura um sonâmbulo fofoqueiro do prédio de luxo da cidade-base.

27 de abr de 2011

Incidente de Percurso no Ensaio Real

O Garanhão de Pelotas  e suas três secretárias-executáveis estavam ontem em Londres. Foram lá só para assistir ao ensaio derradeiro para o casamento do príncipe William com a pebléia Kate. Já decidiram que não ficarão para a festa megabrega:

- Há fortes indícios de que será decepcionante. Vamos agora mesmo para o Caribe - disse a porta-voz morena do nobre pelotense.

A essas alturas, a loira e a ruiva já estavam fazendo malas e bagagens. O Garanhão  fechava a conta no Hotel Goring, situado a 15 minutos da Abadia de Westminster. Por sinal, a mesma luxuosa estalagem londrina onde estão hospedados os plebeus da família de Kate Middleton.

Os sinais que afugentaram o Garanhão e seu trio maravilhoso da capital da Inglaterra:

Reprodução
Primeiro foi o desfile da cavalaria. Ninguém errou nada, absolutamente nada. Nenhum cavalo, nem qualquer cavaleiro fez cocô no passeio público. Quer dizer, treinaram para fazer absolutamente nada de inusitado, ou alegremente desagradável. Vai ser aquela sobriedade só.

Reprodução
Depois veio o ensaio com um par de clones do casal real posudamente sentados na carruagem oficial. Um desastre. Eram dois canastrões. E o Garanhão de Pelotas  não perdoa. Cai matando a pau. Vejam o que ele jura que viu e ouviu, do lugar privilegiado de onde observava todos os movimentos.

Foi assim: a dupla ia na carruagem, toda faceira, interpretando o casal real que casa na sexta. Eis que, senão quando, um dos garbosos cavalos puxadores da charrete monárquica, levanta a bem tratada cola e expele silenciosamente uma reação exotérmica cuja composição de gás era altamente variável e humanamente insuportável às narinas de qualquer vivente, de rainha a vagabundo.

O clone do príncipe William, impávido e colosso, olha então para a moçoila que desempenhava o papel de Kate Middleton. Percebe que suas faces estão coradas. O galante artista, sem perder as estribeiras, dirige-lhe a palavra principesca:

- Desculpe, minha princesa...
- Não foi nada, não. Acontece. Pensei que tinha sido o cavalo.

A cena tem pelo menos cem anos de vida. Mas, do jeito que as coisas andam, até granada cai duas vezes no mesmo lugar. O casamento do século tem tudo para ser uma chatice. O Garanhão  não vai esperar para ver. Já está chegando num desses paraísos caribenhos. Lá é que é a sua praia.

Débora, a promotora bipolar

Imagens e diálogos comprovam a farsa da promotora
com ajuda de médico.

Vídeos em poder do Ministério Público que chegaram, via mídia geral, às mãos do Garanhão de Pelotas, mostram como um psiquiatra orienta Deborah Guerner, presa desde a semana passada, a simular doença mental a fim de atrapalhar as investigações que a enrolam até o pescoço no esquema de corrupção do Distrito Federal.

Então tá. Não solta essa artista, mas prende o médico também.
Reprodução
A promotora Deborah Guerner, ao lado do marido, recebe 'treinamento' do psiquiatra Luis Altenfelder Silva Filho para fingir-se bipolar. Araponga, quando quer, grava tudo. Mais até que Durval Barbosa, o delator mais premiado do Brasil. O Garanhão  resume a ópera bufa com seu sotaque gaúcho:- Deborah Guerner não se bipolarizou, mas agora está tripopularizada.

Reprodução
O Garanhão de Pelotas  vai aos seus arquivos implacáveis e emplaca aqui e agora, a promotriz Deborah ainda de cara-limpa. Tá na cara que treinar para parecer bipolar foi um exagero.

26 de abr de 2011

Garanhices de meio de semana...

ESTÁDIO OLÍMPICO
Gremio 1 x 2 Universidade Católica, do Chile. Foi a primeira grande vitória de Paulo Roberto Falcão na Libertadores da América, como treinador do Inter.

MENOS
O Grêmio jogou o tempo todo com um jogador a menos. Quando Carlos Alberto entrou, no segundo tempo, o tricolor gaúcho ficou com apenas nove em campo.

HAI-KAI
Breguice real / Casamento inglês / É medieval

DE OLHO
Dilma: "O governo está de olho na inflação". E nós de olho no cartão corporativo do governo.

Reprodução/Veja
Cuidado! Cão manso; dono raivoso. A grade faz bem para os dois.

O CENSOR
Roberto Requião tomou na mão grande o gravador do repórter da Band. Achou que quem quer saber o que ele faz com uma "aposentadoria" de R$ 24 mil mensais porque governou - e mal - o estado do Paraná, é "engraçadinho, atrevido e provocante". Prepotente, truculento, metido a mais homem, travestiu-se de censor e alterou o trabalho do dia do setorista e, sob pressão, acabou mandando o filho devolver o objeto roubado.

OS INOCENTES
Agora, a Abert, o Sindicato dos Jornalistas e outros organismos tão crédulos quanto ingenuos, muito mais que inocentes, querem que o censor Requião seja avaliado pelo Conselho de Étiririca do Senado, como se dele não fizesse parte, até o notável criador de gado fantasma, Renan Calheiros.

A PERGUNTA
Afinal, o egrégio senador Roberto Requião aceita abrir mão da aposentadoria de R$ 24,1 mil reais que recebe mensalmente dos cofres públicos como ex-governador?!?

SOLUÇÃO
O rodapé de todas as notícias sobre as chuvas que alagaram o Rio de Janeiro informa com solene ar de Defesa Civil que "em 4 horas choveu o equivalente a 40 dias no Rio". Pronto, acabou o problema. Já no Rio Grande do Sul, o temporal que matou gente e desabrigou milhares, foi 40 vezes menor do que qualquer temporal do inverno passado. E ainda é outono.

CASAMENTO REAL
Essa festa rica é apenas o lado brega da sociedade medieval que vive na Inglaterra de hoje.

TV CONTRACULTURA
A TV Cultura, do estado de São Paulo demitiu o maestro Julio Medaglia. Foram 24 anos de casa que saíram pela porta da rua. A direção da TV agora deve contratar um DJ qualquer para dar uma sacudida na programação, cuja sintonia balança em forma de traço.
SARGENTO GARCIA, O CABO

O grande conselheiro de Lula, Marco Aurélio Sargento Garcia, está ficando cada vez mais "cabo" na hierarquia do gabinete da primeira-presidenta Dilma.

Acaba de perder o Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social. O Conselhão sai da Secretaria das Relações Institucionais e vai para Moreira Franco, do PMDB.

Marco Aurélio Top-Top Garcia está voando baixo. Michel Temer, aos poucos, vai se consolidando como o vice mais vice-presidente da história do Brasil.

LOGOMARCA DO PSD
Kassab não quis para o seu PSD o número 51. Diz que foi para evitar boas idéias a respeito de um eterno candidato a presidente da República. Escolheu um número redondo: 30. Olhaí ao lado o logotipo de Kassab.

ARAPUCA
A primeira-presidenta Dilma diz que está "imensamente preocupada com a inflação". Até parece que ela não usa cartão corporativo e que nem sabia dessa "herança bendita" de Seu Encarnado, o que não desencarna nunca do poder. O dragão da inflação é só uma das arapucas para Lulalá em 2014.

SURRA PERMANENTE
Câmara vai discutir bullying na quarta-feira. O brasileiro apanha dos políticos o tempo todo e ninguém discute isso.

MESMA LAIA
A polícia do Senado não aceitou denúncia do roubo do gravador do repórter da Bandeirantes contra o senador Roberto Requião. Mandou o jornalista se queixar pro bispo. Ele só encontrou por lá a Madre Superiora. Sarney fez ouvidos de mercador.

REQUIÃO, O VALENTÃO
Não é raro Roberto Requião, conhecido barraqueiro - que seguidamente leva uns tapas na cara - desnudar seu caráter truculento e perigoso.

neste início de semana, ele não gostou da pergunta de um repórter e surrupiou-lhe o gravador.

Como a escamoteação foi pública e notória, acabou devolvendo o objeto roubado. Dessa vez, ele devolveu o que pegou na mão grande.

De qualquer maneira, repare bem nessa obra de arte aí na marginal direita do texto: o valentão tem só dois braços e duas pernas. Ah sim, um cuecão cheio de bolsos e não usa sutiã.

MODÉSTIA À PARTE...
Dia 21 de abril, em Ouro Preto-MG, depois de acender a Pira da Liberdade, a primeira-presidenta se comparou aos heróis companheiros de Tiradentes na Conjuração Mineira.

Nada demais. Perto de Lula que se compara a Jesus Cristo, a antiga guerrilheira Dilma foi até modesta na sua solene inconfidência. Um dia ela chega lá.

25 de abr de 2011

OS COELHINHOS QUE COMEM OS BRASILEIROS

Brasília ainda não acordou da letargia do feriadão da Páscoa. Hoje é só segunda-feira. Deputados, senadores ministros de todos os poderes constituídos deram um chocolate nos brasileiros e foram exercitar nas cercanias de seus currais políticos os defeitos que trazem da base eleitoral para a capital federal como se fossem virtudes.
Mike Ronchi
Brasília sem essa pandilha de sevandijas é muito mais bonita, muito mais limpa, muito menos perigosa. O trânsito é bem melhor, flui com naturalidade; nos shoppings, nos supermercados, nos clubes, nas ruas, você sabe com quem está falando.

Pena que na terça-feira, toda terça-feira, isso já começa a mudar. Maravilha que eles só ficam até quinta de manhã, quando voltam de malas e bagagens para suas cidades de origem, onde aprenderam a ser o que são.

A vida em Brasília é assim. Paz e harmonia, nos fins de semana. Ainda bem que são prolongados. Duram de sextas a terças-feiras. Melhor ainda é que o período de fertilidade política é uma permanente homenagem ao coelhinho pascal.

O ano inteiro deputados, senadores, ministros, notáveis servidores de carteirinha, aloprados são rápidos e rasteiros como os coelhinhos para passar a cenoura nos brasileiros.

Em dois dias e meio de expediente semanal, eles sobem em cima do povo e ainda têm tempo para querer saber: - Vai ser bom... Não foi?!?
ALMA LAVADA
O Garanhão de Pelotas  - travestido de mestre em Etiqueta Oficial, acha que pegou mal o príncipe Wiiliam e a plebéia Kate mandarem convite, por exemplo, para David Beckham e para Lady Gaga e não convidarem o Lula e nem a Dilma.

Mas, não tem nada, não. A maior vingança é que o casal de pombinhos vai ter que aturar a cena mais ridícula das histórias de uma cerimônia real: o pai do príncipe, o quase Rei Charles de braço dado com a madrasta, Camila, duquesa da Cornuália.

SÉRIE O SALVADOR DO BRASIL

Pois então, é como diz o Garanhão de Pelotas: "todo mundo já sabe, Lula salvou o Brasil. Agora, não vai haver Dilma que aguente".

No fim de semana, Seu Encarnado - sem desencarnar do poder achou, uma vez mais, de cutucar FHC. O Alter Ego de Lula usa o PSDB como aríete, mas cutuca mesmo é o tal de Fernando Henrique Cardoso que o derrotou duas vezes.

Aí, disse que o "PSDB não tem ideologia". E está pra lá de certo. Só erra por não acrescentar "o PSDB, como o PT e tudo quanto é partido 'nessepaís', não tem ideologia".

Quem anda aos abraços e queijos com Sarney, Renan, Zé Dirceu, Delúbio, Fernandinho Beira-Collor, Ali Babá e os 40 mensaleiros, não tem ideologia. Nem a "estratégia de colizão pelo poder" justifica. Só se for a idelogia do dólar na cueca.

23 de abr de 2011

O TRATO DO GARANHÃO

Um dia, naquelas priscas eras, só para não desconstuir a múltipla personalidade do Garanhão de Pelotas, ele tinha um bilau desse tamaínho. Era, digamos, pouco dotado. Nem por isso, todavia(*), o Garanhão  deixava de ser um tremendo garanhão.

No meio do garden party, pertinho do jardim que circundava a pérgula da piscina de sua mansão, escolheu a dedo uma loira de parar o trânsito (benção Stanislau Ponte Preta) e, sem mais delongas (obrigado, Ruy Barbosa) foi com tudo pra cima dela, sem medo de ser feliz (meus encômios ao PT).

Ganhou a jovem já nas preliminares com toda a beleza, o charme e o veneno do homem brasileiro e foi logo cantando:

- Mimosa, vamos para a minha suíte...
- O que você pensa que eu sou?
- A mulher mais bonita dessa festa. Vamos, eu sou jeitoso...
- Você promete não me machucar?
- Eu ponho só a pontinha...
- Jura?
- Por Baco, Apolo, todos os deuses gregos e uma porção de batata frita.
- Vamos fazer um trato?
- Vamos.
- Você só coloca a pontinha.
- Trato feito, mimosa.

E lá se foram para a suíte principal do palacete assobradado do Garanhão. Roupas sobre o tapete persa, corpos na alcova alcandorada, o Garanhão foi logo enfiando tudo que tinha direito. Ela a-do-rou! Cheia de desejo, resolveu condescender:

- Ai, amor... Bota tudo logo de uma vez... Tudo, tudo!
- Nem pensar, mimosa. Trato é trato!

MORAL DA HISTÓRIA - Não há nas noites de alcova prazer nenhum que se compare ao gozo de conspurcar a verdade.

(*) TODAVIA- Como diria Paulo Francis, "todavia é a puta que pariu!".

16 de abr de 2011

O LOBISTA E O ENGENHEIRO

Não foi o Brasil que inventou a corrupção. O Brasil apenas aperfeiçoou a prática. O Garanhão de Pelotas  estava num garden party de 2 mil talheres promovido por um conhecido lobista de Brasília. No meio da festa, na pérgula da enorme piscina, escutou na mesa ao lado, um dos convidados já quatro ou cinco uísques acima do nível do lago Paranoá, perguntar para o dono da enorme e fantástica mansão.

- Que ninguém nos ouça, mas como é que você conseguiu tudo isso? Até heliporto você tem aqui...
- Cá pra nós - sussurrou o lobista milionário - você conhece o aeroporto?
- Sim, claro. Está em obras...
- Pois é, o orçamento é de R$ 600 milhões.
- Razoável...
- Mas, a obra vai custar mesmo R$ 420 milhões...

O silêncio que se seguiu era apenas a comprovação de que já tinham começado a falar a mesma língua. O dono da mansão, quis também saber um pouco da vida do conviva, um engenheiro trilhardário, de sucesso já beirando a trajetória Oscar Niemeyer, o rei dos projetos sem licitação:

- E você, como é que conseguiu um patrimônio que tem pelo menos 3 casas iguais a esta e cinco condomínios residenciais no coração de Brasília?
- É simples. Venha comigo até o mezanino...

Foram. De lá, à beira de seus uísques, vislumbraram a Capital Federal por inteiro. Uma vista deslumbrante...

- Você está vendo aquela estrada ali, que liga o Palácio do Planalto ao Lago Paranoá?
- Não.
- Pois foi construída por mim.

RODAPÉ - A história foi repassada como piada ao Garanhão de Pelotas, pelo amigo, conterrâneo e seu médico bissexto Uílsom Moreira, radicado em Brasília há mais de 30 anos. A narração foi feita na mesa 5 do mezanino da Churrascaria Porcão, no Píer 21, setor Sul do Lago Paranoá, durante o tradicional happy hour das noites de quinta-feira.

10 de abr de 2011

Araçatuba sai do armário. Agora ficou com o Título...

O Garanhão de Pelotas  não poderia perder essa, jaaamais! Estava lá. E bispou tudinho: no sábado, a equipe do Vôlei Futuro, da indignada cidade de Araçatuba, deu o troco para a torcida homofóbica do Cruzeiro que, em Contagem, nas Minas Gerais, esganiçou-se toda aos gritos de "Bicha! Bicha! Bicha!" para Michael, pivô do time e de todaa algaravia. Final apoteótico do espetáculo: Vôlei Futuro 3 sets a 2 em cima do mineiros que não trocaram de fardamento. Foi a glóóóória.
Alexandre Arruda/Divulgação
A cidade inteira de Araçatuba - que coube no ginásio - saiu do armário. Cobriu-se com uma´linda e enoooorme bandeira nas cores do arco-íris, símbolo do movimento LGBT. Uma graça.

Alexandre Arruda/Divulgação
Quem não coube embaixo do drapejante pendão, bateu e sacudiu bexigas cor-de-rosa. Cho-can-te.

Alexandre Arruda/Divulgação

A vitória de 3 sets a 2 foi a consequência inevitável da maior dignidade. Foi assim ó, dignidade já! O elenco do Vôlei Futuro estava uma fera. Parecia a Pantera Cor-de-Rosa.

Alexandre Arruda/Divulgação
Mário Júnior, líbero do Vôlei Futuro, liberou geral: ele jogou com as cores do arco-íris. A camisa feita sob medida para a ocasião, lhe caiu muito bem. Estava um bofe.

Alexandre Arruda/Divulgação
Michael, o pivô, teve mais uma notável atuação. O apoio dos colegas de time e colegas da arquibancada lhe fez muito bem. Araçatuba mostrou-lhe o Pink Power. Só faltou na hora do Hino Nacional chamarem a Edith Piaf para cantar La Vie en Rose.

O Garanhão, no entanto, concluiu que de prático mesmo, o que Araçatuba pode esperar é que numa próxima eleição municipal Lula, o cabo-eleitoral dos pobres e das elites, diga o que pensa da cidade para o candidato a prefeito do PT, com a mesma rude sutileza que manifestou sua opinião sobre Pelotas ao hoje deputado Fernando Marroni quando ele concorria à prefeitura da Princesa do Sul. Não será nada demais, Araçatuba já tomou a dianteira. O título agora é dela. Campinas, penhorada, também agradece.

MORAL DA HISTÓRIA - Ninguém ganha fama, a não ser por sua própria culpa.  Mas é a melhor maneira de desfrutar as vantagens da reputação perdida.


8 de abr de 2011

A VIDA NÃO É UM ROMANCE

O Sanatório da Notícia  resolveu entrevistar o Garanhão de Pelotas, sobre ele mesmo. Epa, não é esse amontoado aí que você está pensando. O que a gente quis dizer é que o Sanatório  resolveu entrevistar o  Garanhão  fazendo-o falar a respeito dele mesmo. Só isso, seu libidinoso.

SANATÓRIO - Você faria tudo outra vez?
GARANHÃO - Nem morta, filha!
SANATÓRIO - Nadica de nada?
GARANHÃO - Não. Muitas coisas eu as faria novamente e de bom grado. Outras, não. Jamais.
SANATÓRIO - Quê coisas então você faria?
GARANHÃO - Tudo que não fiz e os meus melhores amigos fizeram.
SANATÓRIO - Por exemplo...
GARANHÃO - Estudar muito mais matemática no primário e no ginásio, ao invés de portugues.
SANATÓRIO - Por que isso?
GARANHÃO - Se saber portugues fosse fundamental, as pessoas não nasceriam na China, na Mongólia, na Cracóvia...
SANATÓRIO - Quando você descobriu isso?
GARANHÃO - Primeiro, foi quando morei em Atenas. Eles falavam grego e eu entendia tudo. Eu não falava coisa com coisa e eles me entendiam perfeitamente.
SANATÓRIO - Como assim?
GARANHÃO - Bolas, o ingles e o espanhol que eles falavam eram bem piores que o meu.
SANATÓRIO - Tá e depois?
GARANHÃO - Depois foi quando, sem saber nada de ciências exatas, não fui capaz sequer de calcular que um cara como Lula pudesse ser, mais do que presidente do Brasil, um palestrante internacional.
SANATÓRIO - E quê mais?
GARANHÃO - Quê mais?!? Foi esse palestrante que, sem saber e sem ler, assinou a reforma ortográfica luso-brasileira. Terminou mal e porcamente os dois mandatos dele e nunca falou em fazer a reforma matemática. Agora mesmo é que não sai mais.
SANATÓRIO - E daí?...
GARANHÃO - Mais nada. Descobri o ouvido da minhoca. Não faria tudo outra vez. Estudaria matemática para não quebrar a cabeça. E nem a cara.

MORAL DA ENTREVISTA - A vida não é um romance. É só uma questão de cálculo. É preciso saber fazer as contas.

1 de abr de 2011

Primeira Galinha Homo

O Garanhão de Pelotas  pensou que já tinha visto de tudo na vida. Em rápida temporada de férias foi conhecer o interior da Grã-Bretanha. Anda daqui, anda dali, foi parar em Huntingdon, no condado de Cambridgeshire.E foi lá que viu mais uma que resolveu jogar na rede... Olhe só o que ele conta:

Uma galinha, muito bem cuidada, ali naqueles confins do mundo, parou de botar ovos, encorpou, perdeu penas, tem crista e hoje canta de galo. Agora o casal septuagenário de fazendeiros Jeanette e Jim Hower é que está chocado. Criam a primeira galinha homo da terra.

Garante o Garanhão  que desde que o galo, velho dono do galinheiro, foi se meter com a a antiga companheira, se deu mal. Acorda as redondezas com canto de veado. Balança todo no andar e, melífluo, abre as penas como se fosse um pavão.