18 de jun de 2010

Uma aventura em Paris

Na quinta-feira, em Paris, o Garanhão de Pelotas saiu de seu apartamento de R$ 2 mil a diária no Champs Elysées Plaza e, com surpresa viu que, Dilma Roucheffe saiu da suíte ao lado, acompanhada por quatro assessores e um acólito que, lendo os jornais mais tarde, reconheceu como sendo o presidente do PT, um trabalhador que atende pelo nome de Zé Eduardo Cardozo.

Não cumprimentou ninguém - que eles não deram nenhum sinal de simpatia - e afastou-se do elevador para que a comitiva ocupasse mais aquele território.

Pouco depois, sempre mantendo discreta distância seguiu os passos do grupo. A chefe da excursão, sem mais o que fazer, tirou boa parte da manhã daquele que, depois o Garanhão ficou sabendo, era o seu terceiro dia na capital francesa, para dar um passeio pela Avenida Champs Elysées.

O Garanhão chegou a ser crivado pelo olhar endurecido da turma que olhava vitrines das lojas mais famosas do mundo. Deu uma disfarçada, lançou o seu olhar Chanel N° 5 e fez que lia o Le Figaro.

Os turistas foram em frente. Ao chegar à Galeria Arcades des Champs, Dilma entrou em uma farmácia e comprou uma escova de cabelos. A sua voz continuou a mesma.


O Garanhão, sem dar bola para o incômodo que provocava, continuou seguindo as descontraídas andanças da postulante Dilma. Ela caminhou pelas cercanias do Arco do Triunfo, logo depois do fim da Champs Elysées, próximo a outras avenidas que confluem ali, como a Friedland e a Grande Armée.

Não havia elegância no andar de Dilma que vestia jeans e agasalho preto, com um tênis branco. De repente, enfastiado e já sabendo que Dilma era sua vizinha de andar no hotel, o Garanhão foi almoçar.

Retomou sua pequena aventura de importunar a pandilha dos desocupados brasileiros. Ficou sabendo que Dilma embarcaria à tarde para Bruxelas. Ela usava então um terno cinza, sapatos envernizados sem salto e um lenço colorido.

O Garanhão resolveu tratar da vida, mas ficou sabendo que na sua folgada minitemporada em Paris, Dilma se manteve arredia com os jornalistas.

Deixou Dilma e seu séquito de fidelidade canina, à entrada da Estação Gare du Nord, de onde sai o trem-bala. Nem quis saber se eles foram de trem para Bruxelas. Parece que sim, mas para ele, Dilma já era.

Detalhe de somenos importância: a jovem aí ao lado que aparece na charmosa Champs Elysées, não é a Dilma. Nem a Norma Bengell.