11 de nov de 2010

VAZAMENTO
Os persecutores de Tiririca querem anulação imediata do teste de ditado e de leitura aplicado pela Justiça Eleitoral, para saber se o palhaço que tem mais votos no Brasil sabe ler e escrever. A rapidez com que ele concluiu a prova deixa sérias dúvidas se o exame não teria sido elaborado pelo grupo do Enem. Comprovada essa hipótese, ficará mais do que evidente que o teste vazou.

ANULAÇÃO
Políticos que não se elegeram por causa daqueles um milhão e 300 mil votos que foram desviados para Tiririca garantem, maldosamente, que o deputado mais original do país fez a prova de ditado e de leitura com um celular no bolso. Querem anulação.

LÁPIS E CANETA
Não, o ditado não foi escrito a lápis por Tiririca. O dele não tinha ponta. O juizes que aplicaram a prova em Tiririca perdoaram seu nervosismo: afinal, todo mundo viu, essa foi a primeira vez que ele pegou numa caneta.

LONA ESTENDIDA - Essa barafunda toda para saber se Tirirca sabe ler e escrever é uma grande bobagem. O Congresso Nacional chegou ao ponto lastimável em que se encontra, graças aos deputados e senadores que vem lendo e escrevendo tudo que lhes cai no colo, tudo que lhes dá na telha. O circo já estava armado na Esplanada muito antes do palhaço ser candidato.

SE A MODA PEGA
Se pega mesmo essa moda de testar o analfabetismo de um candidato ao extremo de saber se ele sabe ler e escrever, é bom que Lula vá se preparando desde já. Até 2014 ele terá mais tempo do que o Tiririca. Ainda bem, porque o pessoal da Justiça Eleitoral pode querer que o conteúdo da prova vá bem mais além de um simples ditado e uma leitura dinamica de jornal.

OPÇÃO
Grandes coisas Tiririca deixar de ser palhaço para ser deputado. Pior é um governante deixar de ser presidente para ser um reles cabo eleitoral.