3 de ago de 2010

Hai-Kais na Letra C

O Garanhão de Pelotas tem disso... Quando se toma de fastio, assume ares de intelectual e, como acha que poesia é a prosa forçada, apela para o recurso do Hai-Kai - um poeminha curto, tipo assim preguiçoso, rápido e rasteiro. Foi aos seus alfarrábios e descavocou a letra C. Essa seleção é de 2006.

Calminho
Não há conflito. / Só brigo quando estou / Muito aflito.

Capitalismo selvagem
Gangues exultam: / Os seus executivos / Só executam.

Capitalismo Selvagem II
É enfático / Gosta de caçar Tigre / Asiático.

Cara limpa
No bar, contava, /(cara limpa) mentiras / Bem deslavadas.

Catástrofe
Eram fêmeas, / Morreram como duas / Torres Gêmeas.

Catástrofe II
Bom de conhaque, / Bush toma o mundo / Pelo Iraque.

Catástrofe III
O céu é saco! / Não cabe Operação /Tapa-buraco.

Catástrofe IV
Ver estrelinhas. / De repente, o Gol cai... / Nas entrelinhas.

Censura
Todo sinete / De ditador tem cheiro / De Alcagüete.

Censura II
Na ditadura / Você não diz nada, mas / Sofre censura.

Censura III
Ah, vida ruça! / A máscara do censor / É a carapuça.

Chulo
Nada é igual / Ao palavrão. Trocar cocô / Por bolo fecal?!?

Coalizão
Nenhum embargo. / Os burros já tomaram / Nossos cargos.

Corrupção
Já nem suspiro... / Morre um sanguessuga; / Nasce um vampiro.

Corrupção II
Não foram meias: / O PT trocou cuecas / Por urnas cheias.

Corrupção III
Não é calote / Lixo só virou luxo / Para Palocci.

Corrupção IV
Coisa rara, / O PT de cueca / Mostra a cara.

Corrupção V
Abençoados / Pastores de dinheiros / Deslavados.

Corrupção VI
PT não criou / A corrupção geral... / Sistematizou.

Corrupção VII
Viva sem vintém, / Dinheiro na cueca / Nunca cheira bem!