28 de jan de 2011

Férias na Aldeia Javaé

Depois de uma gélida aventura na Tanzânia, sob as neves do Kilimandjaro, o Garanhão de Pelotas  curtia uma temporada de merecido descanso no interior do Brasil. Para ele e duas de suas três secretárias-executáveis, todo dia estava sendo dia de índio. A outra, a ruiva, viajara para Uganda, lugar desse mundo onde foram parar as malas e bagagens da comitiva garanhense, extraviadas no voo de Dar Salaam para Kampala, capital do Congo.

O herói de todos os Pampas deixou que a loira e a morena se vestissem à moda da casa para que todos melhor aproveitassem os raios de sol senegalesco de Formoso do Araguaia, um paraíso rústico no sudeste do Tocantins, a 500 quilômetros de Palmas. Sentia-se como um nativo daquela aldeia javaé, etnia rica em caça, pesca e boa comida da flora que descobrira no meio do mapa brasileiro.

Por volta de meio-dia, antes de banquetear-se com os índios já seus amigos do peito há quase uma semana, o Garanhão  resolveu aplacar o calor banhando-se nas águas plácidas, refrescantes do rio convidativo e sereno que acariciava as margens do pequeno e hospitaleiro conglomerado indígena.

Descamisado e pés descalços, assim como se livrara por momentos da dupla de secretárias, destrinchou-se das bermudas e, do jeito que viera ao mundo mergulhou feliz de nádegas às escâncaras, penduricalho solto e balacochetas livres. Abraçou-se ao rio que o acolheu com aquele tipo de ternura que só a natureza pode dar aqui na terra aos homens de boa vontade.

E assim nadava à la grande. Entre braçadas e pequenos mergulhos, boiava de quando em vez, refazendo-se do calor inclemente.

Eis que então, surge de canoa, o amigo Kupakã - o Casca de Cipó, na verdade Álvaro Pedreira, um fotógrafo especializado em imagens e flagrantes indígenas. O amigo que conhecera na taba, vinha acompanhado pelo índio Kosuti - o Pequeno, parceiro de outras jornadas de fotografias de Álvaro Kupakã lá por aquelas bandas.

Feliz pela companhia dos dois tranquilos canoeiros, o Garanhão  ficou mais contente ainda quando o experiente Kosuti puxou assunto em domesticado idioma silvícola:

- Rio bom de tomá banho, né?
- É. Bom, sim...
- Água gostosa. Bom de nadar, né?
- Uma beleza... Venha, mergulhe logo; nade um pouco.
- Vô, não sinhô... Aí tá cheio de piranha e sucuri.

O Garanhão  virou Namor, o Príncipe Submarino. Nadou de costas num arrancada a 200 km por hora até saltar daquela aventura de Gibi para dentro da canoa.

Cozinhou as costas ao sol até que ele, Kupakã e Kosuti chegaram sãos e salvos à margem do rio. Nunca antes nesse país o Garanhão de Pelotas  imaginara como é bom um calorão assim nas costas... No bom sentido, é claro; em determinadas circunstâncias.

A menos de dez passos dali, uma sucuri de quase cinco metros de comprimento dormitava enrolada num tronco de árvore que se debruçava sobre o rio. Ela já tinha almoçado.

MORAL DA HISTÓRIA - Em rio que tem piranha o Garanhão de Pelotas nada de costas, tira o dele fora antes e mostra a cobra em cima do pau.