6 de set de 2010

O Secador Por Baixo dos Panos

O Garanhão de Pelotas, em seus contatos de terceiro grau com a cidade que lhe empresta o nome, recebeu do conterrâneo José Galli uma mensagem que tem a cara do blog. Sem medo de ser feliz, o Garanhão não guardou para ele o que para vocês estava reservado. Olha o que Galli diz ao Garanhão:

Costumo dizer que sempre falo a verdade, embora as vezes minta. Aí vai um exemplo bem humorado e prático de como esse aparente paradoxo é possivel. Segundo o Ir. Gabino Gerardo, 'o que caracteriza a mentira é a intenção de enganar'.


O mesmo Irmão lassalista (a pessoa mais próxima de sabio e santo que conheci) também me dizia: 'usted pensa que sabe, pero não sabe nada' (falava com sotaque castellano - pois era espanhol - e para ele, 'espanhol' é uma língua que nunca existiu). Hoje sei que tinha, e continua tendo, razão!


E ainda alertava: 'saber que nada sabes, não te torna um sábio, pois se trata de um fato notório'.

Um abraço,
Galli

E logo passa a contar:

Uma Senhora muito distinta estava em um avião vindo da Suíça, vendo que estava sentada ao lado de um padre simpático, perguntou:
- Desculpe-me, padre, posso lhe pedir um favor?
- Claro, minha filha, o que posso fazer por você?
- É que eu comprei um novo secador de cabelo sofisticado, muito caro. Eu realmente ultrapassei os limites da declaração e estou preocupada com a Alfândega. Será que o senhor poderia levá-lo debaixo de sua batina?
- Claro que posso, minha filha, mas você deve saber que eu não posso mentir!
- O senhor tem um rosto tão honesto, padre, que estou certa que elesnão lhe farão nenhuma pergunta.

E lhe deu o secador.
O avião chegou a seu destino. Quando o padre se apresentou à Alfândega, lhe perguntaram:
- Padre, o senhor tem algo a declarar?

O padre prontamente respondeu:
- Do alto da minha cabeça até a faixa na minha cintura, não tenho nada a declarar, meu filho.

Achando a resposta estranha, o fiscal da Alfândega perguntou:
- E da cintura para baixo, o que o senhor tem?
- Eu tenho um equipamento maravilhoso, destinado ao uso doméstico, em especial para as mulheres, mas que nunca foi usado.

Caindo na risada, o fiscal exclamou:
- Pode passar, Padre! O próximo...

RODAPÉ - José Galli dá a moral da história: A inteligência faz a diferença. Não é necessário mentir, basta escolher as palavras certas.