2 de jan de 2012

O Corno

Encarnar o Garanhão de Pelotas leva o sujeito a certas desventuras. O que se há de fazer? São os cavacos do ofício. Pois, naquela noite cheguei mais cedo em casa.

Pra quê?!? Dei de cara com a minha mulher de então deitada na nossa cama com um cara que não tinha nada a ver comigo.

Saquei o revólver – sempre carrego um comigo para essas ocasiões – e já ia metendo bala nos dois, quando parei para pensar.

Em frações de eternos segundos passei os últimos tempos do filme da minha vida de casado. Tive que reconhecer: minha esposa já não me pedia dinheiro para comprar carne, nem para comprar vestidos, sapatos, jóias, ainda que andasse sempre no it da moda.

E fui vendo: os meninos saíram da escola pública para a privada. Minha mulher me ajudou a trocar de carro; as compras no supermercado nunca foram tão fartas; as contas de luz, água, telefone, internet, celular, cartão de crédito, estavam todas em dia.

Pensei melhor. Guardei a arma na cintura e fui saindo de fininho. Pé ante pé que é melhor para uma boa análise de tudo que nos diz respeito que é bom e todo mundo gosta. E voltei pra segunda sessão do cinema da esquina que já ia começar. Voltei meditando com profundo discernimento:

- Esse idiota paga o aluguel, o supermercado, a escola dos guris, água, luz, telefone, carro, shopping, todas as despesas da minha casa e eu ainda vou pra cama com a minha esposa todas as noites...

Cheguei à bilheteria. No momento preciso de pagar o ingresso, pensei em voz alta, surpreendendo a garota atrás do guichê:

- Pô, o corno é ele!

Estupefata, ela não entendeu nada. Certamente pensou que eu talvez já soubesse o fim do filme.

MORAL DA HISTÓRIA – Aquele que se põe em guarda contra quem o trái é, cabalmente, aquele em cujo favor os traidores cometeram a traição.