1 de abr de 2010

POETICES - Rima desmetrificada

Casamento
Oh, sino! Nesse altar não há o que nos fira. / Nem mirra, nem incenso; oh, sino que abençoas! / Eu e ela vamos viver de mentira: / fingir que eram outras pessoas.

Chê!
Meu destino quis mudar o teu destino / Tolo, cavaleiro de triste figura. / Tarde percebi o meu desatino: / Sí, endurecerse es perder la ternura!

Descida
Olha, como é a vida / sempre me fui e tu sempre ficaste / Hoje, nesta íngreme descida / eu fiquei, tu me deixaste.

Sobe e desce
Dos nossos tremores, minha querida / por entre tantos abalos e sismos / você tem altos e baixos na vida / mas só eu tenho altos e... abismos!

Bússola
Jamais perdi a noção / quer do fim, quer do começo / pra minha orientação / o Sul é o Norte ao avesso.

Melhoridade
O tempo não poupa / Ela prefere o marido de roupa.

Livres-atiradores
Governar é um tiro no escuro / erra, pelas costas, no presente / e, quando atira pela frente, / mata pra sempre o futuro.

Contraste
Ironia do mistério de viver: / o alegre sol nascente / finge não perceber / o triste fim da estrela cadente.

Contemporaneidade
De Millôr, reconheço / pois é a dura verdade: / todo velho que conheço / já chegou na minha idade.

Vocação
Entre Jornalismo e Direito / me acometi de incerteza. / Eis-me aqui repórter feito / mas com voto de pobreza.

Estagnação
Ter o passado diante da gente / é o futuro preso no presente.

Sóbrio
No bar - de cara limpa / em suas eternas noitadas / Bancava sempre o supimpa/ contava mentiras deslavadas.

Sinceridade
Que coisa, a vida da gente! / O certo é que, na verdade, / mentir, a gente mente / mas com toda sinceridade.

Top models
Será que é a nossa feiura / que cansa mesmo a beleza / das modelos da alta-costura / que desfilam com ar de brabeza?!

Muito tempo
Morrer, tudo bem! É batalha perdida. / Se não é à prestação, nem com data conhecida, / também não precisava se morrer pra toda vida.

Choro
Todo mundo vê / na separação: / você chora por você; / de autocomiseração.

Vida
Fico parado, boquiaberto / o tempo corre, a vida é escassa / Então, sou o único esperto: / a vida fica, a gente passa.

Trocas
Fumar, beber - e se deixar conhecer; / na mesa de bar / é se liberar / trocar a saudade / por nova amizade; / um brinde, outra taça / e no fim, tudo passa!

Gol de placa
Comer a mulher do vizinho / e não contar pra mais de cem / é fazer um gol de placa sozinho / num estádio vazio, sem ninguém.

Ciúme
O futebol da Charqueada / que pena, pra mim: foi-se! / meu último gol de letra, a galera enciumada / disse que foi um gol... de coice.

Tia velha
Você conhece o Mário? / (essa é velha pra chuchu) / - Aquele lá, atrás do armário? / - Não, o filho do Dudu!

Fama
E a fama do vento fresco / da cidade dos janotas? / Os gaúchos não dão refresco: / Vem de Campinas, não de Pelotas!

Inveja
Para não se incomodar / com a alta sociedade / não deixe o soçaite notar / que você tem qualidade.

Breguice
Brasil a dentro, ou afora / nada mais brega, out side / do que passar uma hora / mostrando a viagem em slide.

Fundos
A próstata é muito importante / pelo mal nos fundos do paciente. / Faz, contudo e não obstante, / bem aos fundos do médico residente.

Desaforo
Calça na mão - terceiro andar / o amante acha um desaforo / um marido que não dá no couro / obrigá-lo a se atirar.

Sinal de vida
O que nos fez a vida / nesse tempo que decorreu? / Nada, minha querida, / apenas nos envelheceu.

Circo
A vida é um circo / que a palhaçada esculhamba. /A mentira anda a cavalo / a verdade, na corda-bamba.

Atitude
Sei: quem cala consente / Mas não destrate o traidor / quando estiver frente a frente / encare a traição como um favor.

Tragédia
- Y cual la diferencia dientre Pelé y Maradona? / perguntou-me o pibe num bate-bola de meia, quase que um fandango. / Respondi, de pronto, à la grandona: / - Pelé, dá samba; Maradona é tango.

Soçaite
Reuniões de senhoras / todas elas emplumadas / não viram passar as horas / que as deixaram enrugadas / todas dos mesmos desníveis / as rugas, não! As disponíveis.

Dose
Loira, alta, vistosa, / muito charme, puro veneno; / pés e pose de colona bodosa... / Só com Sal de Fruta Eno.

Os anos voam
Assim passaram os anos / caíram suas preferências nacionais / hoje, são portadoras de anus; / bundas moles, nada mais.

Idoso
Corra a favor do vento / pegue um livro de capa dura / mas para ler não seja lento / que, no fim, é mole a brochura.

Melhoridade
Primeiro, um pé-de-galinha; / depois, algumas pelancas; / a celulite bota ovos, se aninha, / bem ali, no meio das ancas.

Lei natural
Enfim, a verdade dói / a gente não faz a lei / mas é melhor ser badboy / do que doutor do que não sei.

Eleitor
Não dou bola pra partido / minha descrença é imensa / o povo só é ouvido / se pensar como o partido pensa.

Slogan
A esperança venceu o medo! / Pensei que era verdade. / O desencanto veio cedo, / era só publicidade.

Medo
Armado, o maior covarde / muda o filme e o seu enredo / a ficção vira verdade /o mocinho morre de medo.

O meu e o deles
Geografia, História do Brasil e Geral, / matemática, ciências, línguas vivas e mortas. / Assim, abriam-se as portas / do meu tempo colegial. / Freiras e irmãos lassalistas / de boa-vontade e aptidão / todos monoteístas / me inculcaram Deus e religião.

Deus com "D" grande / de uma grande religião / que só depois de grande / vi que era deles; de mim, não!

Eu tinha medo Dele / pela paz e pela guerra / mandava no céu e na terra / porque era tudo Dele.

Vi pela vida tanta miséria e maldade / que o mundo me ensinou: / meu Deus é de verdade; / religião, o homem inventou.

Esse Deus que tenho se chama Natureza, / Bondade, Justiça, Razão. / Feito de energia e beleza / não precisa de religião./ Aquele que cria o mundo / as flores, as aves, os amores, / a terra, o céu, o mar profundo, / não precisa de pastores!