31 de out de 2010

OUTUBRO OU NADA!

QUE DROGA! - Dia de eleição no Brasil. Que droga, mais um domingo sem futebol.

DIA DAS BRUXAS - Halloween para os anglo-saxões era a festa dos mortos. Para os católicos, um dia dedicado a todos os santos. Este domingo não é de eleição é de premonição.

GOLPE DO PT - Até nisso, o TSE comeu mosca. O comando da campanha da candidata do PT deu um jeito de fazer a eleição cair no Dia das Bruxas. A imagem de Dilma foi flagrantemente favorecida.

MUDANÇA - Nesses últimos oito anos o Brasil mudou: ficou mais grosseiro e mal-educado. Tem a cara do cara que merece.

VAI-TE COBRA! - Confirmada no lugar de Lula, Dilma já vai se desfazer logo de sua primeira pedra no sapato: Franklin Martins. Mas sua saída do Ministério da Verdade será só jogo de cena, ele ficará à margem da vida só elucubrando o fim da liberdade de imprensa no Brasil. Assim, com a versão governista de dona Solange longe do Palácio, ficará parecendo que Dilma estará cumprindo o que jurou para se eleger: não enviar "nenhuma proposta ao Congresso que fira a liberdade de credo, pensamento e expressão".

ENTREMENTES... - Enquanto isso, o Brasil é um imenso laranjal. Laranjas se espalham por todos os estados da Federação, propondo a criação de Conselhos de Controle Social da Mídia.

PRESSA - O TSE promete que até às dez horas da noite deste sugetivo domingo das bruxas o brasileiro já saberá quem é que vai mandar no Brasil. O Tribunal está que não se aguenta mais. Quanto mais cedo se livrar dessa eleição, melhor.

ELE VEM AÍ - Lula vai tirar uns diazinhos de descanso e, como ameaçou, vai "comprar um ingresso, ir ao Pacaembu e assistir a um bom jogo de futebol"... Em seguida, dará início a mais uma temporada de quatro anos como cabo-eleitoral de si mesmo. Ele não sabe viver sem isso.

EXIBIDO - Nem é tanto para ser presidente da República que Lula larga tudo para ser cabo eleitoral. É mais para ter azia. Ele é doente por holofotes e manchetes. Sem plano de mídia, Lula não passa de um plano secundário. Isso acaba com ele; Lula adoece. Prefere ter azia do que cair no ostracismo. Isso ele não suporta.

ALEGRIA, ALEGRIA! - Daqui a quatro dias completo um ano de vida a mais do que Pelé. Neste domingo exerço pela segunda vez o direito do voto facultativo. A minha primeira abstenção foi no primeiro turno. Minha idade me deu o presente de gozar a enorme satisfação cívica de não votar em nenhum dos candidatos desse outubro ou nada em Brasília: não votei em Serra nem na Dilma; muito menos em Agnelo ou na Weslian. Um pouco mais gordo que Pelé, posso encher o peito e, sem remorso algum, continuar cobrando ética, moral, honestidade, seriedade e competência dessa gente que vai se apropriar do país.