24 de out de 2010

Lula, Dilma e seu imenso laranjal

Pronto, foi disparado o gatilho que fere de morte a liberdade de expressão no Brasil. O PT traz de volta a censura. Lula é mais rancoroso do que se poderia imaginar. Não perdoa quem lhe provoca azia. Devolve toda a sua acidez usando laranjas.


É por isso que Dilma enche os pulmões e abre a boca dizendo, com as costas quentes, que ela não vai enviar nenhuma proposta de cerceamento à liberdade de imprensa, nem tomar qualquer outra iniciativa contra os direitos humanos. Não precisa. Há laranjas de sobra para isso. Bastante para espalhar pomares em cada um dos estados da Federação.

Essa mulher-laranja lá do Ceará está caindo de madura. Conseguiu aprovar para o estado em que deputa, o projeto que cria o Conselho Estadual de Comunicação Social (Cecs). A excrescência democrática integra a Secretaria da Casa Civil do Estado do Ceará e vai "formular e acompanhar a execução da política estadual de comunicação, exercendo funções consultivas, normativas, fiscalizadoras e deliberativas". Esse foi só o primeiro disparo. Vem aí uma metralhadora giratória.

A laranja petista que atende pelo nome de Rachel Marques engendrou o projétil fatal à liberdade de expressão com base na Conferência Nacional de Comunicação, elucubrada de 14 a 17 de dezembro de 2009 em Brasília, pelo porta-recados Franklin Martins, em obediência a Lula e sob aprovação de Dilma & comandita. (Foto: Arq/Presidência).

Só para que você não esqueça, a execrável e ardilosa Confecom não teve a participação dos principais veículos de comunicação do Brasil.

A Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão (Abert), a Associação Brasileira de Internet, a Associação Brasileira de TV por Assinatura, a Associação de Jornais e Revistas do Interior do Brasil, a Associação Nacional dos Editores de Revistas e a Associação Nacional de Jornais são contra as propostas de controle social da mídia.

Como você já foi informado pelo comando da campanha e viu no programa de TV da postulante Dilma, ela diz que é contra. Lula sobre isso, não tuge nem muge. Já rouquejou o que tinha que rouquejar. A dupla dinâmica, todavia, não tem nada contra a profícua atividade de produção de laranjas. Logo, logo esse Brasil será um imenso laranjal.