12 de out de 2010

MINHA CASA - O programa Minha Casa Civil, Minha Vida prometeu entregar até o fim deste ano um milhão de residências. Entregou 150 mil, 15% do que havia prometido. Como de hábito. Esse governo prima pela regularidade.

A CAROLA - Dilma, compungida, em Aparecida, cidade que visitou pela primeira vez na vida: "Sou devota de Nossa Senhora, em especial de Nossa Senhora Aparecida, por circunstâncias recentes em minha vida". Duas circunstâncias de peso, diga-se de passagem: um linfoma e uma candidatura. Assim é que hoje Dilma descobriu uma santa pronto-socorro.

RITMO DE SEMPRE - Lula pede a ministros que mantenham ritmo de trabalho. Se pedisse para que os ministros entrassem em férias seria a mesma coisa, o efeito seria o mesmo.

O NOVO RITMO - Dilma repetiu ontem o que vem dizendo há horas: vai fazer em quatro anos tudo o que Lula não fez em oito.

FORA CELULAR - Se a campanha de Dilma continuar condenando as privatizações, logo os brasileiros terão que jogar seus celulares no lixo, ou devolvê-los para a Espanha.

FERIADÃO - Feriadão normal nos aeroportos brasileiros: os principais estão engasgados. Nada de novo para os governistas: é mais uma herança do governo FHC.

A PRIMEIRA - Dilma pensa, olha, fala e age como se ela fosse a inventora da independência da mulher no Brasil e no mundo. Tem sido a primeira em tudo: primeira secretária da Fazenda no Rio Grande do Sul; primeira secretária de Energia gaúcha; primeira ministra de Minas e Energia no governo Lula; primeira ministra da Casa Civil; primeira presidente do Conselho da Petrobrás; primeira mãe do PAC-1; primeira mãe do PAC-2; primeira mãe brasileira; primeira avó do filho de sua filha; primeira postulante a presidente da República, sem nunca ter prestado um só concurso na vida, sem nunca ter concorrido a qualquer cargo eletivo. É a primeira mulher brasileira a quem bastou ser do time. Agora é a primeira cristã atéia do mundo e pode ser a primeira Dona Flor e seus dois maridos do Brasil. Vai conviver com o bafo de Lula na nuca e com os cutucões de Michel Temer por baixo dos panos.

A CRIADORA - A criatura virou criadora. Depois de inventar o Dia de Nossa Senhora Aparecida, Dilma inventou o Dia da Criança. E sabe o quê as criancinhas pediram aos pais no dia de hoje? Pediram para eles votarem em Dilma, a mãe de todos os brasileiros. Essa foi a brincadeira mais perigosa do dia. Com criança não se brinca!

COINCIDÊNCIA - Dilma inventou ontem a sua primeira visita à cidade de Aparecida. Por acaso, tinha por lá uma festa em homenagem à Nossa Senhora Aparecida, logo essa santa que foi resgatada das águas do rio Parnaíba por Dilma em 1717.

AUSÊNCIA - O governo do Chile e o próprio povo chileno revelam perplexidade diante da ausência de Lula na hora do resgate aos 33 mineiros soterrados há mais de dois meses no deserto de Atacama.

A MENSAGEM - Líder dos minieros será o último dos soterrados a ser resgatado no Chile. El disse que está feliz e agradecido ao governo Lula pela mensagem de apoio que ele e seus companheiros de abrigo subterrâneo receberam do Itamaraty. Se houver tempo hábil para registro eleitoral, promete votar em Dilma.

SALVAMENTO - Por telefone, um policial paulista salvou um bebê de menos de um mes de vida que estava sufocado com o leite materno. O sucesso da operação só se deu porque o policial seguiu as instruções de salvamento fornecidas pelo comando da campanha de Dilma ao heróico policial.

ÁLCOOL MAIS CARO - O preço do álcool subiu de repente nos postos de serviço, em São Paulo. O comando da campanha da Dilma garante que é herança do governo FHC.

FALANDO SÉRIO - Você não acha que a discípula Dilma está com aquele olhar caidaço porque se ressente da falta das parábolas do divino mestre Lula?!?

POR HOJE - Dia santo de guarda, há que se falar sério, nem que seja por deboche. Quem votou em Serra votará em Serra; quem votou em Dilma, em Dilma votará. Falta agora cada candidato convencer apenas cerca de 50 milhões de eleitores que estão por aí: 20 milhões de verdes e outros 30 milhões que fizeram jejum e abstinência, além de anular ou branquear o voto. Eleição, como diria o futebolista Lula, é uma caixinha de supresas. Tudo pode acontecer até o fim desse pândego outubro. Até mesmo os que votaram antes no Serra e na Dilma, descobrirem que podem agora votar invertido, na Dilma ou no Serra.