21 de mai de 2010

Ô Cara, me dá o meu aí!

Cara, aqui quem tá falando é o Garanhão de Pelotas! Deixa eu te lembrar, Cara: a contabilidade já foi feita e refeita, o rombo nos cofres públicos do teu Brasil Da Silva, está comprovado, ultrapassa a casa dos R$ 69 bilhões por ano.

E pelo que tenho visto e ouvido nesses núcleos de campanhas presidenciais - qualquer um deles: de aloprados a tucanos e matas virgens - tudo vai ficar assim como está, só para ver como é que fica.

Nenhum deles até agora mostrou um mísero rabisco, um reles rascunho, um triste dedo mindinho de uma política efetiva anticorrupção.

Pô, Cara, com um pouco de paz aqui na nossa terra - nossa, se o teu MST deixar - bastaria que homens de boa vontade, ou aquelas tuas "pessoas não comuns" enviassem o rol de roupa suja para qualquer lavanderia registrada numa Junta Comercial e em dia com o Fisco, para mandar tirar as manchas da impunidade, da distribuição de cargos, do caixa dois nas campanhas, da morosidade cúmplice da burrocracia e da conivência da sociedade. Pronto! O Brasil ficava limpo e rico. Sei, sei, aí já não seria mais só Da Silva.

Mas não, vocês tão nem aí para essas coisas de pessoas comuns. Depois vem você, ô Cara, vem o Pelé e mais as torcidas do Flamengo, do Corinthians e de todos os times do Brasileirão dizerem que "o brasileiro não sabe votar". Aqui ó! Aqui ó pra ti! O brasileiro, coitado, não tem em quem votar.

Começa que o voto é uma arma que lhe tiraram da mão e viraram contra ele. Votar não é direito nessa democracia que tu herdaste e conservaste, Cara; votar é obrigação.

Continua que os partidos são currais em que só os patrões e seus capatazes podem embretar o gado para botar cabresto ou para ser malhado na cabeça, bem no meio dos chifres. São eles que fazem da nossa vida a arte da escolha e nos impingem portadores de fichas falsas, borradas a mais não poder, como se fossem limpas.

Cara, ouve bem o que o Garanhão te diz: - Pra pegar na mão um ficha suja desses, nem que ela fosse escrita em papel higiênico, a gente escaparia daquela sensação de enjoo que nos corrói o estômago, mais que aquela azia que tu sentes quando lê jornal. 

E aí, acaba que a dinheirama toda que escorre dessa farra dos bois, das vacas, dos bodes, das cabras da peste, dos porcos, dos que se metem de pato a ganso, dos burros em que vocês transformam o pobre brasileiro, vai todo para o leilão das almas.

Vai para os espíritos desarmados que são comprados por rações miseráveis, de esmolas com nomes notáveis como bolsa-famiglia, lixo é luxo, luz para todos, minha casa/minha vida, empréstimo consignado, fome zero e outras moedas baratas que integram a legião dos golpes na nuca que reforçam a "estratégia da governabilidade por coalizão" - codinome da velha cooptação.

E assim é que, sem se ruborizar tu alegas, ô Cara que 7,71% de aumento nos ganhos dos aposentados com mais de um salário mínimo "até podem ser admitidos", mas que o fim do Fator Previdenciário "que previne as aposentadorias precoces" explodiria os cofres da Previdência Social que, em 20 anos, estaria estourado em R$ 40 bilhões.

O quié isso companheiro; o quié isso, Cara?!? O que são R$ 40 bilhões em 20 anos se, no mesmo período só a corrupção vai tirar do Brasil inteiro mais de R$ 1 trilhão e 400 bilhões?!? Ô Cara, pergunta pro Lulinha o que é um boi pra quem tem uma estância?!? Arranja outra lorota mais convincente que o Garanhão de Pelotas intercede junto ao Mohamoud Ahmadinejad para que ele não descumpra o acordo de cavalheiros que ele fez contigo. Afinal, alguém tem que ser cavalheiro nessa ópera bufa.

Ahhh, antes disso, me dá um cartão corporativo do governo aí, Cara... Senão, não voto no teu poste preferido! Nem que a vaca tussa.