26/10/2011

PESADELO

Essa faculdade de ter múltiplas personalidades que eu trouxe ao mundo quando vim à luz, me dá direito e licença de cultivar os mais estranhos companheiros. E contra isso não luto, porque afinal se me dou mal aqui, logo me dou bem ali. É que eu sou meio Pagodinho e deixo a vida me levar..

Outro dia eu trocava umas boas idéias sabe com quem? Sabe, não? Pois é, com ele mesmo. Ninguém mais nem menos que meu amigo, meu irmão, meu líder, o Seu Encarnado, aquele que não desencarna.

E entre mais umas e mais outras, acabei com a língua solta e lhe confidenciei que não tinha dormido bem à noite. Ele pronto quis saber:

- Teve azia?
- Quê nada, mermão, tive um pesadelo.
- Ora, pesadelo todo mundo tem, Garanhão.
- Mas eu sonhei que era você...
- Como assim, pesadelo?
- Se avexe, não. Era um baile lá na Venezuela, na casa de Hugo Chávez...
- Ah bom, aí já tá ficando feio.
- Pior, só tinha uma dama com quem ninguém dançava...
- Se não é quem eu tô pensando, pelo menos você se deu bem...
- Bem, o cacete! Era a Marta...
- Nããão... Era nela mesma que eu tava pensando – mentiu meu amigo, irmão e líder.
- E ela me tirou pra dançar!

Ao silêncio que se seguiu se juntaram muitas umas que outras. Já alta madrugada, nos despedimos. Estávamos cambaleantes de sono. Juro, eu tinha bebido para esquecer. Nessa eu dancei.

MORAL DA HISTÓRIA – Se estivesse perto quando Homero escreveu na Ilíada que “os sonhos vêm de Deus”, eu lhe diria na hora “vá pro diabo que o carregue”!